5 Atividades muito Simples para o Estímulo Cognitivo em Idosos com Alzheimer

 

A pratica ao estímulo cognitivo por si só é muito importante em qualquer pessoa, em especial as crianças e muito mais em idosos com a doença de Alzheimer, sendo uma parte muito importante do tratamento. Estímulos cognitivos esses que, através de exercícios, são de extrema importância porque protegem o intelecto contra a deterioração . É por isso que tanto abordamos em palestras e em eventos beneficentes sobre a Doença de Alzheimer.

É muito importante manter-se um nível contínuo de estimulação as práticas de habilidades cerebrais/mentais, podendo usar-se de: músicas, álbuns de fotografias, revistas, ajudas nas atividades, e até coisas bem mais simples! Por tanto, antes de mais nada, é importante que você, cuidador ou familiar, conheça alguns cuidados a serem praticados quando o assunto é estimulação cognitiva em pessoas com Alzheimer.

 

Destacamos que as boas práticas de estímulos cognitivos muito ajuda sendo coisas que o idoso já vivenciava antes de seu diagnóstico de Alzheimer. Porque relembrar algo que já era de sua prática cotidiana, facilita ainda mais a memorização dos exercícios que serão praticados ou até mesmo nomes simples.

 

É importante lembrar-se de como o doente levava a vida muito antes do diagnóstico de Alzheimer com interesses próprios, e os exercícios tendem a ser mais aceitos se forem sobre assuntos que já interessavam a esta pessoa.

Uma dica importante é lembrá-lo do trabalho que esta pessoa executava, dos seus hobbies, do que gostava de fazer nas horas vagas que lhe dava prazer. Apesar de que não é contra-indicado que se insiram atividades novas: existem casos de idosos que nunca gostaram de pintar, por exemplo, e depois da doença começaram a ter verdadeira afeição pela pintura. O importante é que esse idoso se sinta bem e feliz realizando as atividades.

Cuidado com a sobrecarga

Um erro muito comum praticado pelos cuidadores é sobrecarregar o idoso com muitas atividades cognitivas. Isso pode gerar uma carga de estresse e criar um sentimento no doente de que ele está “sendo testado constantemente”. Além do mais, se este doente sente-se testado e não é capaz de executar todas as atividades, ele pode ficar frustrado, provocando tristeza e angústia.

Portanto, a dica é: vai com calma!

Não exagere no número de atividades e tenha certeza que em cada uma o doente se sente feliz e leve.

Aja com naturalidade

Ao invés de perguntar as coisas de forma “seca”, pergunte como se precisasse realmente da ajuda do doente para realizar as tarefas.

Um exemplo: Se você está no elevador com o doente, pergunte em qual andar a pessoa mora e peça para apertar o botão do elevador, de uma forma bem natural, como se estivesse pedindo ajuda.

No caso do exemplo, a frase seria mais ou menos assim: “Aperte o número do seu andar, por favor, vovô? Eu me esqueci qual é”.

Caso a pessoa não consiga responder, finja se lembrar para não frustrar e criar ansiedade: “Ah, lembrei! É o quarto andar! Você pode apertar o 4 pra mim, por favor?”

Não se engane: estimular requer dedicação

A tarefa de estimular cognitivamente uma pessoa com Alzheimer é séria e requer tempo e dedicação. Não faça nada com pressa, nem cobre respostas rápidas do doente. Vá com calma e respeite o tempo do idoso.

Existem profissionais especializados na prática de estimulação cognitiva, são os Terapeutas Ocupacionais. Se você tiver a oportunidade, contratar um profissional para estimular a pessoa que você cuida é uma atitude muito interessante, que com certeza trará resultados maravilhosos!

Elaboramos uma lista de 5 exercícios extremamente simples, porém altamente poderosos, para você começar a estimular agora mesmo a pessoa com Alzheimer que você cuida.

Dica 1) Peça ajuda da pessoa com Alzheimer em atividades da cozinha

O exercício vai variar de acordo com o estágio da doença e as condições do doente. Se a pessoa com Alzheimer ainda tiver a visão boa, por exemplo, uma dica é pedir ajuda para o bom e velho catar feijão. É uma atividade simples, porém que exige bastante atenção.

Outras sugestões de atividades na cozinha são: pedir ajuda para passar um pano na mesa, mexer os ingredientes, listarem juntos quais são os objetos necessários para ter na mesa do café, peça ajuda para organizar o caderno de receitas, arrumar a despensa, etc.

Caso o doente ainda esteja em um estágio inicial, uma dica interessante é estimular cálculos. Exemplo: perguntar quantas colheres serão necessárias para o almoço, pedir ajuda para dobrar ou diminuir receitas, etc.

É muito importante que a segurança do doente esteja em primeiro lugar, e que o cuidador esteja sempre atento a objetos de vidro, quebráveis e pesados. Além disso, fique atento ao piso da cozinha, mantendo-o sempre seco e limpo, para evitar escorregões e quedas.

Dica 2) Use (e abuse) das fotografias

As fotografias são instrumentos poderosos de estimulação cognitiva! Mantenha porta-retratos e álbuns de família sempre à mostra, na sala ou no quarto do idoso, e utilize-se sempre deles para estimular.

Faça uma seleção das fotografias que remetem a momentos marcantes e a pessoas queridas pelo doente, e deixe exposta. Elogie as fotos, pergunte sobre as pessoas da imagem, sobre o lugar retratado, o que estava acontecendo, como era naquela época, etc.

O importante é fazer essa pessoa recriar esses acontecimentos em sua mente, estimulando a memória. Se forem pessoas amadas e momentos felizes, melhor ainda! Afinal, nada melhor do que recordações que mexem com nossa memória afetiva, não é mesmo?

Dica 3) Estimule através da religiosidade dessa pessoa

Se essa pessoa com Alzheimer tinha alguma religião, explorá-la pode ser muito benéfico como estímulo cognitivo, além de despertar sentimentos como amparo, acolhimento e paz, ligadas à fé.

Vamos usar um exemplo prático: Suponhamos que essa pessoa tenha sido católica durante toda sua vida. Leia a bíblia com ela, converse sobre a escritura, sobre a religião, convide-a para rezar o terço com você, leia textos relacionados à espiritualidade, convide essa pessoa para ir à missa, etc.

Além disso, dependendo da fase do doente, se essa pessoa for à missa com você, peça para ela escolher a roupa para ir à missa. Isso estimula ela a pensar sobre qual roupa seria adequada para a ocasião.

Isso é válido para qualquer religião, basta usar a criatividade e o repertório religioso que essa pessoa já tinha antes do Alzheimer.

Dica 4) Mantenha um calendário no quarto

Manter um calendário no quarto da pessoa com Alzheimer ajuda muito na localização espaço-temporal do doente, que é afetada com a doença.

O ideal é que o calendário seja grande e esteja localizado em um local que seja olhado todos os dias.

Nossa dica é a seguinte: Ao acordar, peça para a pessoa com Alzheimer para circular o número do dia de hoje. No fim do dia, peça para ela fazer um “x” em cima do número (para simbolizar que o dia acabou). Essa é uma forma muito eficaz de localizar a pessoa no tempo!

Dica 5) Tenha o hábito de nomear objetos

Nomeie os objetos, para que a pessoa possa estar sempre em contato com os nomes desses objetos, e principalmente, peça a ela para que faça isso.

Por exemplo: Imagine que você está no banheiro com a pessoa com Alzheimer. Pergunte, despretensiosamente, algo do tipo: “Como se chama mesmo esse objeto? Acredita que me esqueci? Para que ele serve mesmo?”

É muito importante que a pessoa designada a cuidar do idoso com Alzheimer, aja com perfeita naturalidade e não que esteja testando a todo momento e deixe o idoso em dúvida de sua própria capacidade e então por estresse, comece a rejeitar todas atividades sugeridas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *